Carta aberta à Globo sobre a sua hipocrisia (Atualizado)

Enviada pelo site falecomaredeglobo.globo.com.

Escrevo referente ao episódio de Malhação que foi exibido no dia 22/10/2012. Após ler uma crítica ao programa detalhada neste blog: cronicasdocotidiano.com/?p=1206, assisti ao episódio por curiosidade, confirmando e estranhando o abuso de autoridade do “professor” (que também constitui bullying) para “ensinar” os seus alunos uma lição sobre o bullying. Expresso minha total concordância com a crítica feita no artigo citado acima, especialmente com esta frase: “VIVEMOS NUM MUNDO ONDE AS PESSOAS ACABAM LEGITIMANDO AQUILO QUE CONDENAM, EM PROL DAS CAUSAS QUE APROVAM.”

Mas, além disso, quero registrar o meu espanto com duas outras ocorrências, nesse mesmo quadro, que demonstram hipocrisia da parte dos roteiristas e produtores do programa.

Primeiro, a piada do “professor” quando a “professora” disse que a classe era dele. “Que delícia! Posso levar pra casa?” Uma piada, sim, mas uma piada com tons de pedofilia, permissível apenas porque aquele que a desferiu aparentemente faz parte do único grupo intocável na nossa sociedade, quando se trata de fazer piadas deste tipo: os homossexuais.

Segundo, o uso, por esse mesmo ator, do termo bicha proibido ao resto da população quando se trata deste grupo. Termo que foi coincidentemente censurado pela globo quando escreveu o seu resumo sobre o episódio (tvg.globo.com/novelas/malhacao/2012/Vem-por-ai/noticia/2012/10/contra-o-preconceito-excelsior-da-aulas-de-bale-para-turma-do-2-ano.html). A frase, como ela aparece no episódio, é: “No palco, podemos ser tudo: homem, mulher, criança, velho, bicho, bicha, árvore…”.

São ocasiões como essas que nos alertam para o fato de que vivemos sob a ditadura cultural de uma minoria, que procura influenciar a sociedade através da mídia não apenas a “aceitar” a sua opção e conviver com ela, mas a ampliar os limites do que é aceitável no discurso público, apenas para este segmento da população.

O episódio não ensinou nada sobre bullying, a não ser que o bullying é aceitável se provém de uma autoridade que é homossexual. E, ao mesmo tempo, ensinou que insinuações quanto à pedofilia e o uso de termos atualmente determinados “ofensivos” são completamente aceitáveis, se provém dessa mesma autoridade. Isso não é igualdade, aceitação ou convivência, e sim, desigualdade, autorização ao humor às custas de algo horrível (a pedofilia), e hipocrisia no uso de termos que, se desferidos por outros, são causa de acusações de intolerância, preconceito e crime.

David Zekveld Portela (24/10/2012)

Atualização (24/10/2012): Resposta recebida na mesma noite:

David

Respeitamos sua opinião e crítica. Suas considerações serão levadas ao conhecimento da direção do programa.

Cordialmente,
Rede Globo.

Participe da discussão

5 comentários

  1. Concordo e fique claro que é mesmo preciso denunciar e continuar de olho nessas “sugestões”, principalmente em temas voltados a crianças e adolescentes de qualquer tipo de mídia ou emissora….

  2. Prezado David:
    Concordo com você em grau, gênero e número !
    Existe hoje uma distorção generalizada dos valores quando tenta-se dar um status privilegiado aos homossexuais em detrimento à todos os outros grupos da nossa sociedade. Isso NÃO é “igualdade” !!!
    Se ao invés do citado “professor” fosse um médico, advogado, engenheiro, político, militar, pintor, operário, pedreiro, padeiro ou mesmo um outro professor, desde que não apresentando o exteriótipo homossexual, sua fala seria considerada imprópria e passiva de punição. Mas se tratando de um personagem que represente esse grupo “privilegiado”, minoritário e BARULHENTO, qualquer que ouse questioná-lo por sua conduta é imediatamente taxado de “homofóbico” ! E isso porque a PL122 nem foi aprovada ! Imagina então a ditadura gay que teremos nesse país caso a mesma seja aprovada !
    Igualdade significa direitos e DEVERES iguais à TODOS os cidadãos !
    Parabéns por seu texto, David !

  3. Me animo em ver que podemos nos posicionar coerentemente quanto ás aberrações “Globais” e seu determinismo em “moldar” a sociedade brasileira com seus paradigmas próprios. Parabéns Davi, excelente texto, com a coerência esperada para um nome tão importante que é o de Cristão.

  4. A Globo é uma emissora feita de ricos para ricos ,o que passa na malhacao é totalmente fora da realidade de nossas criancas e jovens ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.