Deus, Morte e o Acelerador de Partículas

Algumas semanas atrás o mundo científico celebrou a inauguração do maior acelerador de partículas já construído. Mais de 7.000 cientistas de mais de 50 países estão vibrando com as possíveis descobertas que virão como fruto desse grandioso experimento. Demorou vinte anos para ser construído, custou quase 9 bilhões de dólares, e 181 Institutos de Pesquisa contribuíram para o Projeto realizado pelo Centro Europeu de Pesquisas Nuclear. Só no Brasil foram 68 pesquisadores que dedicaram tempo e esforço ao projeto. (Quem quiser uma explicação mais completa sobre essa máquina clique aqui).

A chamada no jornal saiu assim:

“Genebra, 10 set (EFE).- Aquela que é considerada a experiência científica do século – o início do funcionamento do maior acelerador de partículas do mundo, concebido para explorar os enigmas do Universo – começou hoje com sucesso na Organização Européia para a Pesquisa Nuclear (Cern).”

Diversos religiosos (não só cristãos) ao redor do mundo levantaram sua voz contra o experimento pois um dos supostos objetivos do acelerador era achar a “párticula Deus”, a partícula de número 25. Até hoje só foram descobertas 24 mas muitos acreditam que essa partícula 25 pode desvendar mistérios e enigmas que eludem a ciência a milênios. É óbvio que a agenda por trás desse experimento é comprovar a teoria do Big Bang. A maioria dos cientistas chefiando o experimento já afirmaram isso abertamente e não tentaram esconder essa sua agenda. Querem que o Big Bang suba o degraú de TEORIA para LEI.

Outra coisa que muita gente disse quando soube do projeto foi que iriamos morrer. Especula-se que por causa desse experimento o mundo seria engolido por um buraco negro. Não acredita? Veja só a reportagem da Globo sobre a inauguração da máquina (atentem para o final onde entrevistam um cientista que proclama o final do mundo e passam uma montagem em vídeo da terra sendo engolida por um buraco negro).

Mas eu tenho boas notícias. Nós não vamos morrer!

Aparentemente alguns malucos se encontraram, fizeram algumas experiencias e publicaram um artigo na “Journal of Physics G: Nuclear and Particle Physics” dizendo que o experimento é seguro.

Ufa, ainda bem. Sinto-me extremamente confortável e protegido agora que um bando de evolucionistas atestam a segurança do experimento mais importante já desenvolvido para tentar provar a evolução. Eles realmente devem ter sido extremamente cuidadosos e sem segundas intenções com seus critérios de avaliação… Ahan. Sei. E esse ano o Papai Noel vai passar lá em casa pra deixar um envelope com R$ 40 mil.

Resumindo, o propósito maior desse experimento é comprovar que Deus não existe.

Não entendi o por que da festa toda no lançamento. Dizem que para se começar a ter descobertas teremos que esperar no mínimo DEZ ANOS! É muito tempo… Pedi a Deus que eles descobrissem algumas coisas bem mais rápido. E não é que deu certo??

Após apenas 10 dias, os cientistas já descobriram alguma coisa!

Descobriram que houve uma avaria em um dos oito setores do acelerador. Vem a tona agora que esse setor ainda não havia sido testado a altas energias e que por isso dois imãs tiveram problemas de conexão causando o vazamento de uma tonelada de gás hélio (devia ter muito cientista falando com voz fina naquela hora). Essa eu realmente não entendi. Me falam que o troço é seguro, mas nem sequer testaram todas as partes…

Mas o pessoal é persistente e não desiste:

“Lyn Evans, chefe de projeto do Grande Colisor de Hádrons (LHC), o superacelerador de partículas da Organização Européia para a Pesquisa Nuclear (CERN), se mostrou nesta quinta-feira, 25, decepcionado com a avaria que deixará o experimento em suspenso até o próximo ano, mas se disse otimista frente à pesquisa.”

Por causa desse, “percalço”, o acelerador ficará parado até o ano que vem quando os consertos serão finalizados.

Bom, fico com a pulga atrás da orelha com três coisas:

1) Será que a parte que não foi testada e deu problema estava sob a responsabilidade dos cientistas brasileiros? Você se surpreenderia se esse fosse o caso? 🙂

2) Já que a mídia noticiou extensivamente o lançamento desse projeto, porque também não noticiou a quebra?

3) Será que Deus quis brincar com eles, já que tentam provar que Ele não existe, foi lá e deu uma cutucadinha no cano pra vazar o gás?

Participe da discussão

19 comentários

  1. Bom, eu parto do pressuposto que toda verdade é verdade de Deus. Neste sentido, acho a pesquisa até válida, mesmo que a intenção dos pesquisadores seja provar que Deus não existe.

    Eu sinceramente gostaria de ver os resultados dessa pesquisa, pois, se eles descobrirem algo novo e que seja realmente verdade, nós cristãos poderemos usá-la para fazer o contrário: mostrar que Deus existe.

    Abraços Reformados

  2. Concordo com o André. Vão descobrir alguma coisa, mas provar que Deus não existe não é possível.

    Ouvi alguns argumentos sobre como o Big Bang prova que Deus criou o mundo, e que a teoria do Big Bang nos leva ao ponto inicial quando Deus criou tudo. Esses argumentos foram feitos colocando a Bíblia como um texto sem erros e uma criação em 6 dias, então também não me preocupo com uma teoria mais avançada do Big Bang… afinal, quem criou a partícula de número 25? 😉

  3. Pessoalmente, eu naum acho que os cientistas estão confabulando para fazer do big bang uma lei, porque o Stephen Hawking, físico que quase todos nós conhecemos, já provou isso matematicamente. o “big bang” como os cientistas chamam, aconteceu mesmo. Podemos provar que o universo está se distanciando e espandindo-se. Pelo que nós conhecemos do que Deus fez ( sou cristão), presumimos que um dia, tudo estava condensado em uma origem.
    O Big Bang no caso, seria uma imensa concentração de energia em um único ponto singular no universo, onde tudo que existe, e já existiu, toda energia estava presente e se interagindo. Isso pode ser provado matematicamente.
    O problema é que os religiosos, e infelizmente, acreditam em algumas partes da bíblia de maneira literal, e quando surgiu essa teoria do big bang, compararam com o Gênesis da bíblia, criaram caso…. e hj dentro da igreja, temos essa espécie de birra com cientistas, assim como eles tem birra com quem tem fé.

    Quando os cientistas descobrirem as propriedades essa partícula de Deus, eu acho que irão levantar mais perguntas do que respostas. Deus está dentro da gente, e tem um monte de coisa simples, que eles não conseguem nunca explicar. como por exemplo, a existência de propósitos em nossa mente. Visualizamos e idealizamos algo, temos insights e sonhos…A partícula de Deus é somente um nome que deram. Não faz diferença e prova tanto de Deus, quanto um tijolo. Não é necessário construir uma maquina dessas pra provar um tijolo.. né? Tudo é matéria.

  4. Sou cristão, por crer em Jesus. Creio em Jesus porque o conheci pela bíblia né…

    Percebo que infelizmente, hoje em nossa cultura cristã de um modo geral, quando vamos interpretar as passagens bíblicas, temos lapsos tanto interpretativos, quanto ligados a fé. Tem-se em muitos redutos cristãos, tradicionais e pentecostais também, a prática vigente a anos.. de suprimir questionamentos, e consequentemente conteúdo intelectual de modo geral.

    A cultura judaica de antigamente, nas épocas de Jesus e antes… o conhecimento, a “ciência” da época era enaltecida, em nada prejudicava a relação homem – Deus. O menino hebreu, participava de um culto e para se tornar homem na comunidade judaica, lia um trecho do livro de samuel, diante de todos. Em Israel, não havia analfabetos. Como foi dito pelos profetas, o povo peca por falta de conhecimento.

    Como temos essa relação hoje no mundo? Nós Cristãos, temos a fé em Jesus. Temos algo que mudou nossas vidas, e não só cremos, mas sabemos da Verdade, de Jesus. Mas a nossa prática, a prática da Igreja como um todo, o que enaltecemos aos olhos dos cidadãos comuns, é uma série de dogmas, são os jargões, os programas de tvs caçando pessoas desesperadas, oferecendo algo para se agarrar, a ideologia da prosperidade, igrejas ricas e pastores que não sabem nem o português, falando em línguas… Para eles somos apenas mais um bando de religiosos, em vista do pensamento racional, para eles somos cães que estamos correndo atrás do próprio rabo.

    Claro que não estou falando que Deus não pode usar pessoas simples. Ele pode e usa sim. Mas acredito que ele tem tentado usar pessoas extremamente letradas, e muitas delas, se perdem em sua intelectualidade, nas faculdades, porque ninguém nunca conciliou a fé aos estudos das demais ciências.

    Salvo claro as exceções, graças a Deus. E é em uma dessas exceções, na minha opinião, que eu recorro, para responder de uma maneira mais completa. Augustus Nicodemos foi uma boa descoberta que fiz, em um culto de quarta feira na igreja, embora o conteúdo seja tão bacana, que poderia ser um culto de domingo! hehee!

    Bom para mim, na maneira como vejo, a ciência não exclui Deus, nem a bíblia. Quero acreditar que um dia, teremos físicos cristãos ganhando prêmios nobéis, fazendo descobertas que o mundo todo o admirará como pessoa, e ele poderá falar de Jesus, sem ser considerado irracional. Nós cristãos devemos estar à frente do pensamento intelectual também, porque Jesus não nos impôs limites em nenhuma área. não é mesmo?

    Segue o texto do Augustus Nicodemus, consegui ele no blog que ele escreve, mas o enviei em email … Abraço!
    http://tempora-mores.blogspot.com/

  5. Eu não disse que ela não pode ser interpretada de forma literal. Eu disse que há partes literais e há alegorias. Depende do estilo do texto.. Os gregos são mais relatos, os textos do pentateuco são mais alegóricos…. isso varia com o estilo literário…

  6. João,

    Agradeço os seus comentários e desculpe a demora em responde-los. Vou comentando aos poucos:

    Você disse: “Tem-se em muitos redutos cristãos, tradicionais e pentecostais também, a prática vigente a anos.. de suprimir questionamentos, e consequentemente conteúdo intelectual de modo geral.” – Eu concordo plenamente, e foi por isso que começamos esse site!

     

    Você também disse: “a ciência não exclui Deus, nem a bíblia.” Concordo novamente! Se você olhar atentamente para o meu post sobre o acelerador de particulas, em nenhum momento eu disse que achava isso. Ciência e Bíblia são complementares! Concordo com você o Augustos.

     

    Você afirmou: “Nós cristãos devemos estar à frente do pensamento intelectual também, porque Jesus não nos impôs limites em nenhuma área.” – Exato! A última coisa que estamos querendo aqui no Mastigue é moleza intelectual! Veja nosso primeiro post: http://mastigue.com/2008/09/21/por_que_mastigue/

     

    Finalmente, você disse, quando eu lhe questionei sobre interpretação da Bíblia: “Eu não disse que ela não pode ser interpretada de forma literal. Eu disse que há partes literais e há alegorias” – Eu continuo a te perguntar, quem é que define então que horas interpretamos literalmente e outras vezes como alegorias? Como assegurar-se com certeza de que aquela parte que você interpretou literalmente para se dizer um cristão, não deveria ser interpretada como uma alegoria?

     

    Por fim, acho que muitos viram meu post como sendo anti-ciência, mas não é isso. Acho que os pré-supostos dos cientistas envolvidos nesse experimento estão errados! E acho que o David já tentou abordar esses assuntos de pré-supostos no post seguinte: http://mastigue.com/2008/10/15/uma-prova-explosiva-da-existencia-de-deus/

     

    Abraço,

     

    Daniel

  7. Bom, essa questão de “quem é que define” é uma questão difícil mesmo. Talvez se o cristianismo idealizado que mencionei já fosse uma realidade em nosso meio, eu e você, e os cristãos em geral, teríamos uma noção da interpretação maior. Minha visão pessoal e a interpretação que faço, é baseada um pouco nas palavras de Joseph Campbell, que apesar de não professar nenhuma fé específica, foi um homem extremamente espiritual. Em alguns trechos do livro (e DVD) o “Poder do Mito”, ele tenta definir o que seria o mito em si. Não me lembro exatamente das palavras, mas soam mais ou menos assim, adaptado como me lembro.. : “Os mitos são os presentes que recebemos em uma embalagem bonita, admiramos e retiramos o laço calmamente, deslumbrados, e por dentro do pacote temos um grande ensinamento.” Aproximando-nos no significado desse conceito, de mito, percebemos que o mito não significa uma história lendária. Alguns mitos se fazem verdadeiros pelo ensinamento que possuem. Nós Cristãos sempre ouvimos tanto de céticos quanto de qualquer cidadão comum mais letrado, por aí: “A arca de Noé, realmente foi construída da forma como a bíblia descreve? Couberam todos os animais do nosso planeta em uma arca com aquelas medidas? Há evidências geológicas que dão base para crermos em um dilúvio universal?” Muitas vezes, diante dessas questões, não sabemos o que dizer, e damos um verdadeiro passo de fé quando reafirmamos para essas mesmas pessoas, (e para nós mesmos) – “A bíblia é a verdade, é a palavra de Deus”

    Não consigo encontrar uma pessoa que se encaixe nesse “quem é que define” a interpretação, quando examinamos algumas passagens do pentateuco. O estilo literário do pentateuco é bem diferente dos evangelhos e demais livros. Mas há aquela certeza que sentimos ao ler o livro de Noé, que nos faz crer e saber. Para mim, depois de estudar bastante esses assuntos interpretativos e picuinhas bíblicas, acredito que na bíblia, temos histórias valorosas que transcedem qualquer significado mundano em tentar prová-lo como real, com evidências físicas. São alegorias verdadeiras, que falam de uma verdade transcendente.

    Os demais livros, são bem mais fáceis de dizer quem é que define. Por exemplo quando Jesus disse que: se sua mão o faz pecar, é melhor cortá-la fora. Sabemos que nessa passagem Jesus não estava incitando mutilação. Quando jesus fala, comam do meu corpo e bebam do meu sangue, sabemos o que ele quer dizer. Quem define nesse caso é a lógica, o bom senso.

    Que mérito haveria para Deus, que um homem fosse amputado, ou cometesse canibalismo? hehe Lógico, precisamos de interpretar as palavras, não é algo literal, não é uma receita de bolo.

    A resposta para essa pergunta “Como assegurar-se com certeza de que aquela parte que você interpretou literalmente para se dizer um cristão, não deveria ser interpretada como uma alegoria?” pode ser dada de diversas formas…

    Baseando-se no estilo literário, temos os evangelhos como relatos, alguns inclusive de pessoas que escrevem como se presenciassem os fatos ocorridos, com detalhes. Podemos ampliar a resposta para algo mais macro, interpretando os textos bíblicos relacionando-os, como a profecia de isaías 53, escrito aproximadamente 400 anos antes de Jesus, que praticamente descreve o calvário e o plano de salvação. Ainda hoje, descobrem-se versões dos livros antigos, onde essa passagem é a mesma, excluindo-se as chances de que houve uma fraude nos textos pós-cristianismo. Fazendo uma análise mais macro ainda, comparando o Cristianismo com as diversas outras religiões, temos Cristo como algo singular, sendo o único que ao invés de apontar uma série de ritos, dogmas e leis para que o ser humano consiga chegar próximo de Deus, apontando para si mesmo como o caminho, ele era a vida, ele era um com Deus, e ele foi o único que se entregou.

    Mas a resposta que eu mais gosto a essa pergunta, é que nós não deveríamos nos basear em fatos para dizer que somos cristãos. Somos salvos pela fé, e a fé é a certeza de algo que cremos. O que me faz Cristão é a fé em Jesus Cristo, e no que ele é, e no que ele disse. Ele veio em um contexto e com uma promessa, descrita pelos profetas. É a fé nesse Jesus, o Messias que nos torna cristãos verdadeiros.

    É um assunto bem longo, talvez porque eu não consiga responder corretamente, mas deu pra entender? hhehe

  8. Oi João,

    Agradeço novamente a sua resposta. Vou tentar responder aos poucos:

    Você citou mitos e depois exemplificou com: “A arca de Noé, realmente foi construída da forma como a bíblia descreve? Couberam todos os animais do nosso planeta em uma arca com aquelas medidas? Há evidências geológicas que dão base para crermos em um dilúvio universal?” – Esse fim de semana tivemos o cientista Adauto Lourenço falando em nossa igreja (http://www.universocriacionista.com.br) e para todos os exemplos acima citados por você temos dados científicos que comprovam isso. Ele trabalhou bem a questão das diferenças entre Design Inteligente e religião. Não podemos confundir ciência com fé. Vale a pena assistir palestras dele pois é um físico que trabalha bastante nas áreas de pesquisa e design inteligente. Existem respostas plausíveis para comprovar que esses exemplos acima citados não são mitos.O professor Adauto da palestras de física em faculdades pelo Brasil afora (quinta passada este na USP de São Carlos).

    Você também afirmou: “Para mim, depois de estudar bastante esses assuntos interpretativos e picuinhas bíblicas, acredito que na bíblia, temos histórias valorosas que transcedem qualquer significado mundano em tentar prová-lo como real, com evidências físicas” – Cara, tenho muito medo desse tipo de abordagem a interpretação Bíblica. Realmente não existe quem define? Essa verdade transcendente é definida por quem? Por cada indivíduo? Isso é muito perigoso. Quando colocamos nós mesmos como autoridades de interpretação bíblica, podemos fazer o que quisermos com ela. A verdade fica relativa a nossa interpretação. Quem deveria ser autoridade é a própria Bíblia. Não? Você acertadamente disse que muitos cristãos fogem pela tangente quando questionados sobre partes “difíceis” da Bíblia. Concordo com você que não deveriam. No entanto, partir pra um outro lado e dizer que esse tipo de coisa é alegora também pra mim é fugir da raia. Por que fugir da raia se existem dados científicos que atestam aos fatos bíblicos? Talvez só porque não os conheçamos, isso não quer dizer que esses argumentos não existam.

    Você afirmou: “O que me faz Cristão é a fé em Jesus Cristo, e no que ele é, e no que ele disse.” – Ótimo, perfeito. Concordo em genêro número e grau. Só que você, com seus comentários prévios e no começo desse, abriu uma brecha e disse que interpretação é algo que fazemos de forma diferente dependendo do estilo literário usado e usando o bom-senso. Só que eu vejo o buraco mais embaixo. Agora eu pergunto, quem definiu que devemos interpretar dessa forma? Bom-senso, ou raciocínio muitas vezes parecem que nos dão razão e nos apontam na direção certa, mas será que isso é sempre? Deixe-me esclarecer… Se o bom-senso é aquilo que rege interpretação bíblica, então eu leria os evangelhos assim. Os evangelhos contam a história de Jesus. Jesus viveu na Terra. A Terra é regida por Leis Naturais de onde eu obtenho o Bom-senso. Os evangelhos afirmam que Jesus transformou água em vinho. A ciência e bom-senso afirmam que isso é impossível e milagres não existem. Portanto os evangelhos são mentira.

    Estou tentando te mostrar que falar que verdades são transcendentes é algo perigoso pois fica tudo nebuloso e qualquer ser humano interpreta como quer. Agora, usar o bom-senso para interpretação também é perigoso pois ele muitas vezes aponta na direção contrária a da Bíblia.

    Bom, agradeço novamente sua interação por aqui. 🙂

    Abraço,

    Daniel

     

  9. Acredito que o Hawking não provou nada ainda! O Big-Bang ainda é uma teoria… quando foi que se tornou Lei…esqueceram de me avisar!

  10. Prezado “Telesjc”,

    Exatamente! Essa seria a segunda parte da discussão com o João. Primeiro eu queria apontar para a verdade da Bíblia, depois entrar na parte da ciência mais especificamente. No entanto, acho que ele deu uma freiada na discussão aqui no blog e deu uma sumida de leve.

    Não sei se você já teve oportunidade de ver o artigo do David que seguiu o meu: http://mastigue.com/2008/10/15/uma-prova-explosiva-da-existencia-de-deus/

    Vale a pena conferir. Obrigado também pelos links sobre o Hawkins!

    Abraço,

    Daniel

  11. Olha eu aqui de novo Daniel… ehhehe

    Bom, quando eu me referi aos estilos literários que diferem entre si na bíblia, eu acho que não fui claro, devido ao modo como meus argumentos foram compreendidos..

    Traçar a lógica que o Daniel utilizou na frase “os evangelhos contam a história de Jesus. Jesus viveu na Terra. A Terra é regida por Leis Naturais de onde eu obtenho o Bom-senso. Os evangelhos afirmam que Jesus transformou água em vinho. A ciência e bom-senso afirmam que isso é impossível e milagres não existem. Portanto os evangelhos são mentira” é tudo que não quero com os argumentos que apresentei. Essa inclusive, ao meu ver, é a lógica “errada” que aprendemos desde cedo nas escolas, com o rótulo e aprovação de “científica”.

    A ciência não diz que isso é impossível de acontecer primeiramente. Conseguimos reproduzir hoje esse milagre que Jesus fez em algum laboratório? Não! A ciência não consegue chegar nessa questão, porque não tem competência para isso, não possui mérito comprabilístico a respeito de algo que não consegue provar. Sobre isso ela se mantém calada. Os cientistas e nós mesmos é que interpretamos e formamos nossa opinião. Muitos entre nós, como o Daniel afirmou, dizem: “é impossível”, porque praticamente é. Mas, o que sabemos sobre o comportamento da matéria, e teorias quânticas, é que se surgir alguém capaz de fazer isso, somente com as palavras, ainda mais naquela época ( transformar a água = vinho) essa pessoa seria, Deus. Essa pessoa (Deus) teria total domínio e conseguiria manipular a particula singular e única, que dá toda a base para a formação de toda matéria no universo, que aliás, é o tema do início desse post no blog, e que os cientistas, estavam tentando descobrir com o LHC.

    Deus não quebra as leis que ele mesmo criou. Algo parece impossível para nós. Mas só parece…

    Mas voltando a bíblia…
    Os evangelhos possuem conteúdo e estilo literário diferentes, como eu havia dito anteriormente. São relatos mais recentes, diferentes dos demais textos bíblicos, estão mais contextualizados a fatos e são descritivos por excelência, como o livro de Lucas. Quando ambientamos a época em que foram escritos, Jerusalém com a dominação política romana, temos que considerar aspectos como a presença da cultura helênica em autores do evangelho como Paulo, que certamente já havia tido contato com os antigos filósofos helenistas…

    Tentar traçar uma lógica do bom-senso como a utilizada acima, é ignorar esse conteúdo histórico e estilo de escrita. Acredito que passar por cima desse conteúdo tão contundente, é tão errado quanto tentar encontrar “quem” valida e classifica o que está escrito na bíblia, como nas indagaçoes acima. Não é de delegar a autoridade, interpretação, e validação do que é sagrado que provém todos os males e heresias praticadas pela antiga igreja católica? Não é pela livre interpretação da escritura que Lutero lutou?

    Você admite que existem diversos textos, de várias regiões, escritos por pessoas diferentes, e em línguas diferentes, e em épocas diferentes….

    E quer interpretar tudo de uma maneira só?

    Não acredito que interpretar a bíblia e suas passagens de um modo diferente é abrir uma brecha. Pelo contrário, acredito que interpretar a bíblia é um exercício contínuo que fortalece mais ainda sua sacralidade. Deus diz uma coisa só. Nós é que precisamos de interpretar textos escritos por diversas pessoas em épocas diferentes, línguas diferentes, hábitos diferentes…

    Mudar a maneira, o método como interpretamos a palavra não quer dizer que estamos mudando o que Deus disse, ou que estamos fazendo de Deus um ser mutável, que hora diz uma coisa, hora diz outra…

    Métodos interpretativos nunca vão trazer mais confusão para a palavra. Quanto ao bom-senso indicar a direção contrária da bíblia, também acho um pouco difícil.Você talvez esteja “conduzindo” o bom senso para onde quer.. Exemplificando.. na passagem de Abraão que sobe ao monte para oferecer seu Filho… uma pessoa leiga que lê esse trecho utilizando o bom-senso, interpretará que Deus quer que matemos nossos filhos? Ela irá no caminho contrário, utilizando o bom senso, só se for louca! Sempre haverão malucos. Uma pessoa utilizando o bom-senso, cortará sua própria mão para evitar ser pecador?

    Exemplificar pode ser perigoso. Mas o que todos nós temos que nos esforçar é para que não sejamos leigos!

    Outra coisa também. A palavra mito, como utilizei anteriormente, leva a crer que seja algo falso, ilusório, mentira. Não é esse o sentido que Joseph Campbell utilizou. Mito é uma parábola. A parábola do filho pródigo, contada por Jesus, realmente aconteceu? Não sabemos. Mas a parábola é uma mentira? Claro que não. O valor dela está no ensinamento. A palavra Mito nesse caso, é uma espécie de evolução da metáfora! Compreenda então, a partir disso, o que estou querendo dizer sobre as histórias do pentateuco. Não faz sentido tentar comprová-las com fatos, encontrar pedaços de madeira da arca, etc.. O mérito se esses fatos aconteceram não tem importância no sentido factual. Isso não tira o valor e a riqueza do que Deus fala no pentateuco até os dias de hoje.

    E é nessa hora, no instante que através compreendemos e nos aproximamos do que Deus deixou para nós, que eu acredito que ao invés de ficar tudo nebuloso, fica tudo mais claro.

    Abraços moçada!

  12. Telesjc .. Stephen Hawkin provou algo sim. Pelo que conhecemos no mundo, pelas leis naturais e o afastamento do universo, só podemos supor que um dia tudo partiu de um único ponto. Isso é matemática. Talvez quando as pessoas conhecerem melhor essa teoria verão que há partes dela passíveis de “crença”.. coisas que os cientistas fazem muito bem aliás, até melhor do que nós cristãos.. ehehe

    Mas existe uma parte provada da teoria, matematicamente provada. “Crer” nessa parte da teoria, acho que é desnecessário, porque ela não necessita mais de crença…

    Não quero nem começar a discutir sobre outro assunto, pq esse já está rendendo um bom papo, mas só de zueira.. a teoria da evolução por exemplo, é onde os cientistas colocam toda sua fé! Eles preenchem todas as lacunas da teoria evolutiva ( que eu não creio ser como a ciência diz, by the way ) com muito exercício de fé! Hehe!

  13. Oi João!

    Demorei, mas respondi! Quanta inspiração para comentar rapaz! hehehehe

    Cara, é o seguinte. Eu não acho que a Bíblia toda deve ser interpretada de uma maneira só, sempre.

    Acho que sempre devemos buscar interpretar LITERALMENTE, buscando o sentido que o autor quis dar, e a menos que o PRÓPRIO TEXTO INDIQUE, então interpretamos como alegoria, história, poesia, etc…

    Portanto, onde a Bíblia fala de criação, ela fala em sete dias. Temos indicação do texto de que isso não é LITERAL, não. Para alguns, o “bom-senso” ou “ciência” apontam que não devemos interpretar de forma literal pois é impossível.

    O crivo nunca pode ser “bom-senso” ou “ciência”, pois como você bem disse, ambos são falhos…

    Abraço,

    Daniel

  14. É muito mais fácil se ocupar desses vários temas que amar o irmão ao teu lado e quando é assim temos animo pra defender ou contestar qualquer coisa menos uma que é a mais importante . Nada vai mudar se não houver perdão . O perdão é o maior acelerador de partículas pois quando se perdoa o irmão o mundo pode explodir mas o seu coração entra na paz que nenhum bigbang é capaz de tirar , nem altura nem profundidade , nem o passado passado nem o porvir , nem criatura , nem dimensão pois se se perdoa o irmão se esta no amor de Cristo que nos uniu nesse lugar . Um grande abraço.

  15. Junio –

    Bem-vindo ao blog, e obrigado pelo seu comentário. Concordo que é preciso amarmos os nossos irmãos! O que não entendo é de onde você tirou a idéia de que o Daniel não faz isso ou que não quer que outras pessoas façam. Também não vejo onde seja necessário não poder discutir nenhum “desses vários temas” se nos propusermos a demonstrar amor aos nossos irmãos. Você nunca conheceu alguém que gostasse de conversar sobre alguma coisa, mas também fosse uma pessoa amorosa?

    Talvez uma pergunta melhor seja, quais são os tópicos de conversa que você permite, para que possa julgar uma pessoa como amorosa aos seus irmãos? Futebol? Novela? Ou a pessoa precisa ficar quietinha e simplesmente “demonstrar amor”? É impossível demonstrar amor através de uma discussão ou conversa, seja online ou offline? Jesus estava errado em conversar com as pessoas? Ele não demonstrou amor quando confrontou as idéias da sua era?

    Enfim, acho que as coisas não excluem uma à outra. É “muito mais fácil” descartar uma pessoa que escreve um artigo do qual você não gosta, como sendo sem-amor ou sem-perdão, sem no mínimo conhecê-la pessoalmente e ver os frutos verdadeiros de sua vida. Quem conhece o Daniel sabe o amor e o perdão que ele demonstra em sua vida, tanto em sua família e nas suas amizades, como no seu ministério de presbítero. Acusá-lo de não ser estas coisas, pelo simples fato dele ter se “ocupado” com algumas linhas sobre um acelerador de partículas, é meio ignorante, não acha?

    Posso ter te interpretado mal, mas a meu ver você acusou meu irmão de ser sem amor e sem perdão, sem conhecê-lo. Mas veja só: em nome de Jesus eu te amo e te perdôo por isso. Um grande abraço, espero que continue a passar por aqui.

    – David

  16. David ,

    Sim voce interpretou mal , pois em nenhum momento eu me referi ao que Daniel comentou. Pelo contrario eu concordo plenamente com ele quando ele diz em relacao a criacao em sete dias e que este texto nao e literal , nao . Eu nao disse que nao podemos discutir temas diversos , muito pelo contrario eu gosto de falar sobre tudo isso mas eu tambem sei que existem pessoas que preferem falar sobre temas que nao edificam espiritualmente pois nao trazem auto conhecimento a luz Deus . Quando o tItanic afundava ainda assim muitas pessoas queriam lutar pelos seus direitos e posicoes na sociedade sem se dar conta que isso nao mudaria nada em relacao ao que os aguardava do outro lado. Eu nao estou escrevendo pra uma so pessoa , pois isso aqui e democratico , eu nao estou dizendo isto aqui com o intuito de contestar o direito que vc tem de falar sobre qualquer tema , alem do mais jesus confrontou as ideias da sua era sim , e mais que isso Ele disse que delas se ocupavam os que limpam os pratos por fora , mas que eram sujos por dentro como tumulos caiados. Os temas naquela epoca eram moralistas e de um legalismo que nao justifica o homem . Cristo orou ao Pai agradecendo por Ele ter escondido dos sabios e eruditos desse munto a unica coisa que era necessaria nao querendo dizer novamente que nao se pode discutir qualquer tema , mas nao fazer de um tema qualquer um fim em si mesmo pois nada mais importa a nao ser o amor ( nao disse que Daniel nao ama , so disse que oque importa e o amor ). Um abraco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.